- Atualizado em

Planejando o futuro

Muito além da parceria com a DAF, o Sistema Fiep tem outras iniciativas que estreitam a conexão com o setor automotivo

compartilhe

por Rodrigo Lopes

A conexão do Sistema Fiep  com o setor automotivo no Paraná se estreitou no início de 2021, com novas duas inciativas. A primeira foi o lançamento da Rota Estratégica para o Futuro da Indústria 2031 – Automotivo e Autopeças. Elaborado pelo Observatório Sistema Fiep, com a participação de inúmeros atores do segmento, o estudo aponta caminhos para estruturar uma cadeia produtiva cooperativa e competitiva, provedora de soluções inovadoras e sustentáveis para a mobilidade. Para isso, traz também um roadmap com ações necessárias para se alcançar os objetivos traçados para o desenvolvimento do setor. 

Nosso objetivo é apoiar o desenvolvimento sustentável desse superimportante segmento de atividade econômica que é o setor automotivo e de autopeças. Várias demandas de políticas públicas estão detalhadas, e o fato de elas estarem estruturadas em um documento de construção coletiva torna a Rota um excelente instrumento de negociação de interesses comuns para o setor”, diz Marília de Souza, gerente executiva do Observatório.

Para o diretor regional no Paraná do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), Benedicto Kubrusly Junior, entre essas demandas está a busca por políticas que solucionem um desiquilíbrio tributário que existe na cadeia automotiva atualmente. “É necessária uma reforma tributária e fiscal que desburocratize e deixe mais leve as estruturas da área de controle e financeira das empresas. Há todo um reflexo do peso da legislação tributária e fiscal nos custos não apenas contábeis, pelo que você paga de impostos, mas também custos de pessoal”, afirma.

Além da Rota Estratégica, a Fiep também instalou o Conselho Setorial da Indústria Automotiva. Coordenado pelo presidente da Brose do Brasil, Max Forte, o grupo é responsável por debater os desafios do setor e encontrar caminhos para implantação das ações e demandas apontadas no roadmap.  

“O maior objetivo é conseguir identificar juntos quais são os principais gaps, de uma forma priorizada. Quando você coloca todas as empresas de um setor juntas, consegue ter uma voz comum para conversar com as entidades governamentais, com outros estados e outros organismos, para que a gente consiga ter uma agenda e avançar sempre que houver a possibilidade”, explica Max Forte, presidente da Brose do Brasil.

SAIBA MAIS 

Confira todas as tendências apontadas pela Rota Estratégica da indústria automotiva.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse.
Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja a nossa nova Política. Saiba mais.